IA não é coisa de nerds. Mas do CEO e do board. E como está sua empresa?


A Economist publicou artigo muito interessante que mostra o quanto a Inteligência Artificial (IA) está se tornando estratégico para países e empresas. O artigo se concentra na disputa entre EUA e China, “China may match or beat America in AI”, e nele podemos sentir quão estratégico a IA está se tornando. Por exemplo, um estudo da PwCmostrou que IA em 2030 acelerará o PIB global em cerca de 16 trilhões de dólares. O estudo aponta que os EUA inicialmente obterão ganhos de produtividade mais rapidamente do que a China, impulsionada pela sua prontidão para a IA e o alto percentual de empregos susceptíveis de substituição por tecnologias mais produtivas. Mas, a China poderá ultrapassar os EUA em dez anos. Europa e a Ásia desenvolvida, como Coréia do Sul também obterão ganhos econômicos significativos da IA. Por outro lado, o estudo mostrou que os países em desenvolvimento conseguirão aumentos bem mais modestos devido às suas mais baixas taxas de adoção das tecnologias de IA. É altamente preocupante.

Nenhum setor de indústria ou empresa estará imune ao impacto da IA. As empresas que não conseguirem aplicar adequadamente a IA, perderão, inevitavelmente, competitividade e participação de mercado. A consultoria McKinsey estudou o assunto e publicou um artigo “How artificial intelligence can deliver real value to companies” que mostra o crescente gap de competitividade, já demonstrada na prática, entre as empresas que adotam IA com mais velocidade e as mais lentas ou que ainda não despertaram para a importância estratégica da IA, que estão ficando, inexoravelmente, para trás. Curioso que algoritmos inteligentes já estão inseridas nas nossas atividades diárias e nem percebemos disso. Quando vemos um filme no Netflix ou encomendamos um livro na Amazon, por trás dessa escolha tem a influência de algoritmos de recomendação. A sugestão de caminho proposto pelo Waze ou a precificação de uma corrida pelo Uber também são baseados em algoritmos. Aprovação ou negação de créditos são baseados em algoritmos. Preços dinâmicos para passagens aéreas são estipulados por algoritmos. A onipresente busca que fazemos no motor de busca do Google é um sistema de IA. Mais da metade das ações em bolsa transacionadas nos EUA já são comandadas por algoritmos. Competições de busca por melhores algoritmos acontecem frequentemente em sites como Kaggle.